A empresária que é exemplo de elegância e sucesso

agosto 04, 2018


https://static.xx.fbcdn.net/images/emoji.php/v9/f57/1/16/1f609.pngDona de uma elegância ímpar. Mulher de personalidade, guerreira, dedicada à família e ao trabalho. Há 34 anos atua na administração do Grupo CR, que aliás possui a maior rede de supermercados da região. Tem na expressão o poder da disciplina. Exímia administradora, sabe a hora de deitar e de correr, mas não é dos desafios não! Muito pelo contrário, quando se trata de desafios ela encara tudo com maestria. É em companhia do marido e de amigos que a minha entrevistada encara longos percursos de corrida. Atleta de maratona, inclusive! Não é brincadeira, é determinação. Casada com o empresário César Ramalheiro, mãe de César Júnior, Diego e Larissa e avó do César e do Thiago, a empresária Sônia Ramalheiro é uma das maiores referências do mundo empresarial. A minha primeira pergunta ela preferiu devolver no final da entrevista. E então, acabei de responder com essa pequena introdução. 😊
Agora, bora da uma conferida No Salto?
O papo foi bem legal!!!
Vale a pena da uma espiadinha. 
No Salto: Bem vinda, você adotou Santarém para morar por qual motivo?
Nasci em Castanhal/PA. Na verdade, não foi uma escolha, conheci meu esposo o santareno César Ramalheiro, no cursinho de vestibular, em Belém. Passamos para o mesmo curso e mesma faculdade. Namoramos, casamos e depois de formados viemos morar em Santarém, em 1982.
No Salto: Pensa em morar pra sempre aqui?Sim, aqui nasceram 2 dos meus 3 filhos, criei raízes e vínculos para a vida toda.
No Salto: Como foi sua infância?Com seis irmãos, tenho na memória a união, o amor e o carinho de nossos pais. As dificuldades não impediram de ter vivido uma infância feliz e disciplinada.
No Salto: Qual a receita para chegar aos 60 anos tão jovem?Obrigada pelo “jovem”! Aos 62 anos, com a mente e o corpo sãos, a juventude é uma consequência. Tenho uma alimentação saudável, sem excessos, muito trabalho, grandes responsabilidades e atividade física 6 dias por semana, corro, faço academia pedalo, faço trilhas.


No Salto: Já lhe vi correndo pelas ruas da cidade e fiquei com uma “inveja”, me conta, de onde vem tanta disposição?
DETERMINAÇÃO, aos 60 anos me desafiei a participar da corrida de rua São Silvestre, em São Paulo, sem antes jamais ter corrido um quarteirão, com a ajuda de um profissional e um grupo de amigos e funcionários, treinamos durante um ano. Cruzar a linha de chegada para receber a medalha, foi uma das maiores emoções da minha vida, ali constatei de que nosso corpo aguenta o que a mente acredita.
Não parei mais, treino 3 vezes por semana, coleciono medalhas e ainda sonho com uma meia maratona (21 km).



No Salto: Você é uma mãe carinhosa?
Ao extremo, nós pais, filhos e noras, temos uma relação de muita cumplicidade, amor e carinho, nosso lema: um por todos, todos por um.
No Salto: E como avó, sobra tempo pra curtir os netos? 
Adoro meus netos, tenho dois. Por eles deixo qualquer compromisso. É um presente divino entregue pelos filhos.
 No Salto: Como você ingressou no mundo empresarial?
Pra vir morar em Santarém, deixei uma carreira profissional iniciada na extinta Telepará, onde estagiei e passei para o departamento de economia, logo depois de concluir o curso de economia. Aqui em Santarém iniciei trabalhando com meu saudoso sogro, na Administração da Padaria Progresso. Com a visão empreendedora do meu esposo e com a minha coragem e determinação, abrimos o primeiro supermercado, na Turiano Meira, em 1991.
No Salto: Seus filhos estão trilhando o mesmo caminho, ou seja, o ramo empresarial?Sim, os 3 fazem parte da Diretoria do Grupo, cada na sua área de formação.
No Salto: Você é uma mulher realizada?Realizada sim, acomodada jamais, sempre acho que posso fazer mais...
No Salto: Você ainda tem sonhos para realizar?
Sempre, sonhar é viver e persistir para realizá-los, minha meta.
No Salto: Você passa um tipo durona, isso é timidez, ou realmente você é de poucos amigos? Rs
Depende de quem analisa, tímida não, sou fiel ao cumprimento dos meus deveres e obrigações, gosto da contrapartida.
No Salto: Falando em amizades, todos nós, ao longo da vida, encontramos pessoas que acrescentam sempre algo. Você tem amigos e pessoas próximas que conheceu e que te trouxerem grandes aprendizados? Quem são?!
Eu aprendo até com uma simples conversa, sou ávida por conhecimento, cultivo com carinho minhas amizades, a troca de experiência e conhecimento é inevitável, mas meu grande Mestre é o meu marido, com os filhos a troca de conhecimento de duas gerações é fantástico!

No Salto: Num país de tanta crise como vocês (vc e seu marido) conseguem se manter no mercado, inclusive expandindo, com sucesso, mais empreendimentos do grupo CR?
Em 36 anos de varejo, já passamos por muitas crises e sempre saímos fortalecidos, porém esse momento atual de nossa economia, nos levou a essa crise sem precedentes.
O Grupo vem passando por uma grande reestruturação e se renovando de acordo com o mercado, como adequação do mix de produtos, novos nichos de mercado, parcerias como as Havaianas, O Boticário e Cacau Show. Renovação da Marca, inovação tecnológica como o aplicativo CR pra você, um meio de fidelização, comunicação através das Redes Sociais com interatividade, ações que envolvem a comunidade, como a Corrida Pais e Filhos e muitos outros projetos em andamento. Essa é a dinâmica do varejo.
No Salto: Hoje você comanda o CR stylos mas também um Instituto, além de participação na rede de supermercados, qual sua relação com os colaboradores?
Normal, uma relação muito próxima com as pessoas do meu núcleo de trabalho e com os mais antigos, alguns estão conosco desde o início, são uma extensão da nossa família, valorizamos e temos consciência de que não fazemos nada sozinhos.
No Salto: Como surgiu o Instituto CR?
Quando fui trabalhar com meu sogro, ele tinha 2 funcionários e meu relacionamento com eles, hoje chamam de responsabilidade Social, sempre atenta às limitações, diferenças e fraquezas, desenvolvia ações que ajudassem no desenvolvimento e bem estar das pessoas, em 2008 fundei o Instituto CR, para estender suas ações a toda comunidade, como forma de agradecimento pelo acolhimento ao nosso trabalho.
Em 10 anos, já realizamos dezenas de projetos e milhares de pessoas foram beneficiadas.
Atualmente temos dois grandes projetos: a Coopere Cooperativa de PEREMA, que gera emprego e renda para dezenas de famílias, através da reciclagem de embalagens pets, pneus e papelão, livrando o meio ambiente da ação maléfica, de toneladas de embalagens pets.
O Centro de Artes da Amazônia, há 4 anos oferece o estudo da música, em 11 cursos.
No Salto: Quantas crianças já passaram pelo local?
Já atendemos 1.234 alunos, hoje temos 298, matriculados nos 11 cursos oferecidos, que vai desde a musicalização para bebês, a partir de 8 meses, a alunos de pianos com 84 anos, temos turmas para o desenvolvimento através da música para crianças especiais, uma orquestra infanto-juvenil e uma premiada Orquestra de Carimbó.
Existe possibilidade de expandir para crianças carentes?
A Escola é para todos, nosso projeto inicial é para atender os filhos de funcionários, mas devido à grande procura, ampliamos o projeto pra atender todos que acreditam e confiam em nosso trabalho.
O dinheiro do Instituto é utilizado em que?O Instituto não tem renda, é totalmente mantido pelo Grupo CR, a contribuição dos alunos vai para os professores e os bolsistas, são distribuídos nos diversos cursos.
No Salto: Você e seu marido, o empresário César Ramalheiro, são provas que trabalhar em família da certo sim, foi difícil manter essa relação no trabalho?
Pesquisas mostram que a maioria das empresas familiares, não passam da quarta geração, por isso somos atentos aos pontos vulneráveis e desde o início, faz parte da nossa cultura que empresa e família, não são a mesma coisa e um dos maiores desafios é preparar a próxima geração, para o processo sucessório para continuidade da Empresa.


No Salto: Sua vida sempre foi de flores pelo caminho?
Sim, porque transformo os muitos espinhos em flores, meu dia a dia é transformar limão em limonada, foco as soluções, nunca os problemas.
No Salto: Teve algum dia que você quis jogar tudo para o ar?
Muitas vezes! Empreender no Brasil é um grande desafio, tem mais obstáculos do que estímulos, precisamos de muita coragem.


No Salto: Você recebeu recentemente a Medalha Mérito Empresarial Manuel de Jesus Morais na festa Melhores do Ano da ACES. O que este reconhecimento significa em sua história?!
Uma honra e grande responsabilidade, desde que esse mérito foi instituído sempre foi conferido a grandes empresários, homens que contribuíram de forma significativa para o desenvolvimento de Santarém, então ser a primeira mulher a receber essa homenagem me enche de orgulho pela história que estou escrevendo.
No Salto: Aos poucos o mundo vem sendo comandado por mulheres, qual a avaliação que você faz da mulher à frente de grandes grupos?
Vejo com naturalidade, já não precisamos provar mais nada, podemos chegar onde quisermos com respeito e admiração.


No Salto: E aquelas que ainda tem receio de encarar o mercado, qual a dica que você da?
O mercado já não faz mais diferença específicas para homens e mulheres, cada vez mais temos oportunidades iguais, mas é preciso ter autoconfiança, qualificação, flexibilidade com as mudanças e atitude.
Ah, em relação a primeira pergunta que você me fez. Deixo pra você dizer: quem é Sônia Ramalheiro?
Foi um prazer!!!
Obrigada!

Você pode gostar também

0 comentários

LER TAMBÉM:

Like us on Facebook

Flickr Images

Subscribe