Mariazinha, o mito da boemia santarena, já sente desejo pela aposentadoria

setembro 04, 2018


Quem nunca passou pelo viaduto de Santarém e deu uma esticadinha no pescoço para olhar pra “Mariazinha”? rs rs Hoje vamos conhecer um pouco da história da Dona Maria Gomes de Pereira, 71 anos. Ela nasceu em Manaus, capital do Amazonas, mas que veio aos 17 anos para Santarém, e adotou esta terra como sua. Mariazinha - como é conhecida por seus clientes e amigos – é dona de um reduto da boemia, que funciona há décadas bem do lado do único viaduto do município de Santarém, região oeste do Pará. Há 40 anos, sua boate já recebeu milhares de clientes de várias partes do Brasil e do mundo, entre eles políticos, fazendeiros, garimpeiros, empresários...Todos atraídos pelas belas garotas do Drink’s Madri– nome da boate. Eu bati um papo bem descontraído com ela, que me recebeu com muita simpatia na casa mais famosa da cidade.
Aliás, hoje, a ‘Mariazinha’ como é mais conhecido o lugar, atrai não apenas os clientes para as garotas, mas a curiosidade de estudantes universitários que constantemente visitam o espaço em busca das histórias da mulher e do local.
Olá, conheço muita gente que sai de Santarém pra ir morar em Manaus, você fez o inverso, como veio parar aqui?
Foi assim quando meu pai era vivo, a gente tinha um pouco de grana. Ele era carpinteiro e era também mecânico de armamento de caça, no interior do Amazonas, isso dava uma graninha legal.
E sua mãe?
Minha mãe era dona de casa, vivia pra cuidar dos filhos. Éramos 5 filhos.
Eu tinha um tio, que era dono de seringais e bares, coronel da borracha e então com a morte do meu pai, esse tio chamou a gente pra morar em Rio Branco do Acre, junto com meu avô. Na época eu tinha 8 anos. Meu avô era amazonense, mas minha avó era paraense, e aquela altura eles haviam decidido morar no Pará. Então veio toda a família, menos eu.


Ué, por quê?
Bem, a filha caçula do meu avô tinha perdido o único filho e então pediu que eu ficasse morando com ela. Então, fiquei morando quase 15 anos em Rio Branco. Com 17 anos eu decidi ir pra Belterra morar com a minha mãe, que veio com meus avós e irmãos. Quando cheguei pra cá minha, mãe já estava casada novamente e eu não me dava muito bem com meu padrasto, foi quando comecei a trabalhar como doméstica na casa dos outros. Trabalhava muito. Aliás, sempre trabalhei. Aos 7 anos eu já era babá. Eu tomava conta de uma criança aqui, outra ali, limpava uma casa aqui, outra ali... e assim seguia com a vida.
Teve um dia que resolvi sair de casa e vim pra Santarém. Continuei trabalhando como doméstica. Até que cansei de tudo e voltei pra Manaus. Passei um ano por lá, e resolvi retornar pra Santarém. Nesse retorno, conheci uma mulher, dona de um espaço como esse onde estou hoje, e comecei a frequentar a “casa” dela. Nessa mesma época ela ‘tava’ indo embora de Santarém e entre dez moças que “viviam na casa” ela me escolheu para tocar o negócio. Lembro muito bem quando ela disse: “Você vai fazer nome nessa cidade”.
Ah, então você fazia programa?
Não, eu trabalhava de doméstica na “casa”. Então, ela passou tudo pra mim. Como falei, nós éramos 10 meninas na casa, mas eu trabalhava como garçonete. Fazia serviço mesmo de doméstica, atendia aqui e ali... Já as outras meninas faziam programa.
Entendi...
Então, dei sequência ao trabalho que já existia, inclusive, as 9 meninas continuaram no serviço. Fiquei como dona e sou dona da “casa” até hoje.


Mas, ela deu assim, de mão beijada?
Nãooo!!!. Na verdade a casa não era dela. A proprietária era a Tiana Gama, que alugava pra essa minha ex-chefe. Ficava ali onde hoje é o Hipopótamos Motel. Depois que assumi, ainda ficou funcionando lá durante seis meses, depois mudamos e ainda continuei pagando aluguel por quase quatro anos, até que consegui comprar esse terreno onde hoje está localizado o Drink’s Mary ‘Mariazinha’, que aliás, foi construído por mim.
Esse negócio da dinheiro, hein? Kkkkkk
Hahahah! Não. Eu fui construindo tudo devagar! Na verdade, eu recebi apoio para construir.
Que sorte!
Pois é! Mas, foi graças a minha reputação. Um dono de uma loja de construção confiava em mim e facilitou todo o material. Ele sabia da minha necessidade e por isso disponibilizou todo o material de construção pra eu levantar a casa. Lembro quando ele me disse: “Vou colocar tudo o que você precisa e você começa a me pagar quando tiver funcionando a casa”.


Olhaaaaa! Um amigo desse, “bixo”, nunca nem vi! ... hahahahaha
Hahaha. Fiz tudo muito simples, só pra sair do aluguel. Com o tempo fui transformando, colocando detalhes, para atender as necessidades dos clientes e também a minha porque aqui é o local que escolhi pra morar.
Você tinha quantos anos nessa época?
Quando entrei nessa históri,a eu tava com 23 anos.
Quando você se enxergou nisso? Disse: é isso que eu gosto de fazer.
Ahhh! Acho que desde sempre. Sempre tem algo que combina com a gente, né?
Você nunca se arrependeu?Não. Não se trata de se arrepender ou não, mas hoje em dia fico pensando: isso não combina mais comigo. “Eu não era pra ser dona disso não! Eu era pra ser mãe de muitos filhos e de muitos netos”. Fico pensando muito nisso, porque eu gosto muito de organização. Na minha casa é tudo arrumadinho. Você pode ver. Minha cozinha é tudo em ordem. Sou chata, gosto de tudo bonitinho, arrumadinho...
Me diz uma coisa: você nunca casou?
Casei, fiquei viúva, mas não fiquei com nada do casamento, nem com filho e nem com dinheiro.
Você não tem filhos?
Não, sou sozinha. Só eu e Deus.
Nunca quis?
Não, eu até quis, mas quando engravidei, perdi. O médico chegou a dizer pra mim que eu não era mulher pra parir...


O médico disse isso?
Disse, e não tive filho mesmo. E olha que nunca evitei. Hoje tenho 71 anos. Na época nem existia remédio e nem preservativos, então nunca evitei e, também, não engravidei mais.
Não tinha tantas doenças também, né?
Não tinha, já com 23 anos, que começava a cogitar essas coisas de preservativos, remédios...
Você nem tentou adoção?
Não, não quis. Se não era meu, eu não queria de outra pessoa, ou de outra forma.
Você se arrepende?
Não. Mas fico pensando: “Por que eu não tive filhos?” Mas sou consciente que esse não foi um desejo meu, porque eu tinha sempre os meios, mas foi vontade de Deus mesmo, então não podemos discutir.
Depois que você ficou viúva, não quis casar de novo? Não gostou do casamento?
Hummm tipo (pensativa), depois que comecei a trabalhar pra mim mesmo, ganhei independência... Sabe, a gente fica desconfiada da aproximação por interesse, né? Sempre fui muito cabreira...
Você é uma mulher rica?
De espírito. Hahahhaha. Mas de dinheiro, não! Hahahah
Mas, você já conseguiu tudo o que queria?
É. Tenho! Tenho meu carro, minha casa, tenho alguns imóveis, mas rica, ricaaaaaaaa, não. Kkkkkkkk
E esse patrimônio todo vai ficar pra quem?
Já tá tudo doado!
Annnnn? Pra quem, alguma instituição? rs rs
Pra uma pessoa ai...
Paixão?
Não, não tenho! rsrs
Babado! Hahaha Você tem muita vida pela frente. É uma pessoa jovem, tem um estado de espirito incrível. Sabia, eu esperava encontrar uma senhora velhinha, gordona...
Hahahahhaahh. Todo mundo pensa que sou assim, velha e gorda. Tem gente que vem de fora com essa imagem de mim: velhinha, gordona.
E o que você faz pra conservar essa jovialidade?
Olha, eu me cuido bem. Faço hidroginástica, tomo os meus complementos alimentares...
Quantas “meninas” você tem aqui? É só mulher ou tem homem também?
Só meninas. Mas elas não são fixas. Não tem nenhum contrato comigo.
E como vocês fazem?
Elas vêm, fazem o trabalho delas e vão embora. Eu determino um horário para entrar e para sair.
Aqui não funciona como motel?
Não, não!
E como funciona?
Elas vem, batem papo com os “amigos”, tomam drinks...
Uma cervejinha, né?
Não, não, aqui não temos cerveja. Só whisky!
Hummm. Chique hein? Não tomam cerveja por quê?
Porque com o drink, elas ganham comissão também.
A tá, entendi. E na hora do babado?
Ai elas saem daqui, vão para o motel.


Todos os dias elas estão disponíveis?
Sim, todos os dias. Mas como te disse, como não tem contrato assinado, tem noite que tem 5 meninas, tem noite que tem 16, outras tem apenas 2 meninas, é assim...
E qual é o perfil das “suas meninas”? São bonitonas?
São meninas não muito gordas, também não exijo que tenham altura. Mas exijo que estejam arrumadinhas, de saltinho, maquiadas, bem perfumadas... Aqui, elas podem ficar bem a vontade, inclusive com lingerie.
Tem estudantes?
Sim, por sinal, várias meninas daqui já se formaram na faculdade. A última que se formou, há dois anos, fez Administração de Empresas. Mas, daqui também já se formaram Professoras, Técnicas em Contabilidade... Eu incentivo elas a estudarem, já que não fazem nada durante o dia.
Qual a idade das “meninas” que frequentam a “Mariazinha”?
Dos 18 aos 30 anos.
Estão todas com tudo em cima?
Olha, a mulherada se cuida muito hoje em dia, né? hahahah
Elas ganham muito?
Não sei, porque esse valor elas que cobram.
E o que você ganha nessa história?Ganho na bebida, no tira-gosto...


Entendi, o que entra do bar.... Quais foram as dificuldades que você já enfrentou por aqui?
Até hoje tem né? Já enfrentei muitas crises, mas tô de pé, sou duro na queda. Algo que posso destacar que senti muito foi quando os apartamentos foram interditados, há dois anos. Hoje eles estão todos isolados, porque foram proibidos e não podem funcionar. Atualmente, enfrento dificuldade no período do inverno, porque os clientes somem. A maioria ainda é formada por gringos e eles chegam mais no verão. Lembro também, do tempo da ditatura, aqui não podia sequer tocas as músicas que eu gostava, somente as autorizadas pela polícia.
A fiscalização era bem pesada antes?
Muito!!! Ele viviam em cima. Hoje em dia já não vem mais com frequência. Acredito que eles sabem que eu trabalho direito e obedeço às leis.
E a vizinhança, não encrenca não? rs rs
Olha, nunca tive problema com vizinhos. Todos eles me adoram, até porque eu sou oficialmente a primeira moradora dessa rua. Hahahahaha. Quando eu cheguei aqui nesse pedaço não tinha água, não tinha luz, não tinha telefone, não tinha nem casas perto, praticamente eu era só aqui no pedaço.
Você tem muitos amigos?
HUMMM. Amizade tenho das pessoas que frequentam aqui, mas não sou de ter muita intimidade, de sair, ficar em grupos....
Quando foi o auge da “Mariazinha”?
No tempo dos garimpos. Naquela época tinha muita garota aqui. Já chegou a morar 30 mulheres na casa, mas depois que os garimpos fecharam as dificuldades foram imensas, cheguei até a vender o carro que tinha para não ter que fechar o negócio. Mas, com o tempo consegui administrar o pouco dinheiro que entrava. Hoje em dia, é tudo controlado. Não tenho dinheiro em banco, só o que tenho é isso aqui, e alguns imóveis.
Sua vida então não é um mar de rosas?
Nunca foi, sempre trabalhei muito, muito mesmo. Nem mesmo consigo viajar, até porque pra viajar é preciso ter dinheiro, né? haahahah
Me diz uma coisa, muitas das “suas meninas” já casaram né?
Muitasssss, muitasss mesmo. Hoje, vivem bem, tão bem casadas. Tem uma que se tornou uma das empresárias bem sucedida aqui na cidade.
Hummmm. Você é convidada para os casamentos?
Sim, já fui até madrinha de casamento. Fico lá, toda feliz ao lado delas na igreja.
Quantas “meninas” “você já casou”?
Olha, acho que casei umas 10 só aqui, não assim de eu levar todas na igreja, sabe, mas elas todas casaram aqui em Santarém e hoje têm filhos, netos. Madrinha mesmo, sou de duas, apenas.
E o convívio com elas é bacana?
Muito. Elas me visitam, tem uma até que tem uma banda, toca na Igreja.
Você é católica?
Sim, vou muito à Igreja?
Qual?
São Francisco de Assis. Sou bem cristã, converso muito com Deus. Tenho meus quadros com o desenho de Jesus, perto da minha cama, então durmo e acordo olhando pra ele. Sou madrinha de crisma de várias pessoas. Até o padre celebra missa na minha casa. Sou, inclusive, dizimista. Ano passado, por exemplo, minha casa foi uma das escolhidas para a celebração da missão em homenagem a São Francisco. Muita gente participou e muita gente também levou um baita susto quando viu uma fileira de carro na frente da minha casa. As pessoas pensavam que eu havia morrido. Kkkkkkk
Kkkkkkkkkkkkkkkk
Por que você decidiu morar no mesmo lugar que você recebe tanta gente desconhecida?

É porque eu considero as pessoas que frequentam aqui como parte da minha família. Eu tenho muita intimidade com as meninas que frequentam aqui, dou conselho, oriento, e aqui não entra mulher bandida, não, só recebo em minha casa as mulheres direitas.
Você é como se fosse mãe delas?
Hahaahah. Isso mesmo. Tem umas até que me chamam de mãe.


E até quando você seguir com esse trabalho?
Olha, não quero mais levar muito tempo não, eu já queria parar esse ano...
Vai acabar a “Mariazinha”?
Eu tenho uma gerente que trabalha comigo há 10 anos..
Ah, então já tem uma substituta?
Já, ela me ajuda e então já tá tudo esquematizado.
Então já pode se aposentar...rs rs
Kkkkkkkkkkkkkkkkk. Pois é! Mas, vou terminar de quitar umas dívidas e depois passo o negócio pra ela conduzir.
E você vai fazer o que?
Ah, não sei. Vou inventar qualquer coisa, porque ficar parada do jeito que eu sou elétrica, não vai dá não.
E os homens, o coração bate por quem?
Tô há vinte anos solteira.
Você tá sem namorado há 20 anos?
Sim.
Mas, sem namorado não significa sem ninguém, sem sexo, né? rs rsSim, significa isso mesmo... Sem ninguém mesmo.
E você consegue? Kkk
hahaha Simmmm. A gente se acostuma.
Mas, você sai pra se divertir, né?
Sim, saio pra festa, danço, me divirto com minhas amigas...
Mas, os homens não te xavecam?
Sim, mas eu fico muito na minha.
Hahahaha Qual teu santo mesmo?
São Francisco de Assis, Nossa Senhora Desatadora dos Nós e Jesus.

Por: Núbia Pereira

Você pode gostar também

0 comentários

LER TAMBÉM:

Like us on Facebook

Flickr Images

Subscribe